Você já leu a segunda edição da pesquisa Conselho de Classe, realizada pela Fundação Lemann com o apoio do Instituto Paulo Montenegro?

O objetivo da pesquisa foi entender a visão dos professores sobre si mesmos e sobre o contexto educacional do país e para isso foram ouvidos profissionais de todo o Brasil. Você pode acessar a pesquisa na íntegra clicando aqui, mas separamos aqui alguns pontos interessantes:

  • De acordo com os professores, a falta de acompanhamento psicológico foi o fator que precisa ser enfrentado com maior urgência;
  • 96% dos professores acham que a secretaria da educação deveria oferecer apoio psicológico, além do pedagógico, aos professores e alunos;

“Eu acho que deveria fazer parte da equipe gestora: um psicólogo, um assistente social e um psicopedagogo.” (Professor do Ensino Fundamental I)

  • A defasagem de aprendizado dos alunos também foi apontada como uma das principais urgências, principalmente no Ensino Médio;
  • A defasagem também é responsabilizada pela dificuldade para o cumprimento dos currículos em sala de aula;
  • 1 em cada 4 professores acredita que o aumento do piso salarial e melhorias no plano de carreira para os profissionais de educação são ações prioritárias para melhorar o ensino como um todo;
  • A formação continuada também aparece como fator a ser priorizado, ainda que 7 de cada 10 professores ouvidos tenha participado de programas de formação no último ano;

“Eu fiz capacitação sem nenhuma renumeração todos os sábados por 6 meses. É aí que entra a questão de valorização do profissional, como pessoa eu estou crescendo, mas para o estado eu sou um grão de arroz.” (Professor do Ensino Fundamental I).

Recomendamos a leitura na íntegra, pois a apresentação dos resultados está num formato muito bacana para visualização, inspirado em infográficos! É uma leitura rápida e prazerosa.

Conte pranós mim o que achou mais interessante na pesquisa! É muito legal poder ouvir a opinião de outros profissionais da educação também! Envie uma mensagem para contato@mupi.me .